Fazer uma dieta é difícil porque se trata de uma mudança de hábitos que muitas vezes vêm de vários anos. Como a maioria das pessoas faz dieta para emagrecer, em geral essa mudança é uma privação de vários alimentos que dão prazer. E, para piorar, o dia a dia está cheio de armadilhas que podem te fazer sair do planejamento. Aquele outdoor do fast food, o cheiro do pastel na feira, a propaganda de algum restaurante no rádio… isso sem contar os amigos que estão sempre chamando para comer e, principalmente, para tomar uma cerveja.

Se com tudo andando direitinho já é difícil manter a dieta, imagina se os resultados não vêm? Aí a motivação despenca, a desistência começa a parecer uma alternativa aceitável, e tudo pode ir pelo ralo. Porém, existem algumas maneiras de deixar os novos hábitos alimentares mais fáceis de se assimilar. Separamos algumas que são especialmente úteis:

Curta a Proddigital Saúde no Facebook >>>

7 dicas para sua dieta ficar mais fácil

1 – Facilite suas refeições em casa

A geladeira deve estar cheia não só de alimentos saudáveis, mas também de alimentos fáceis de se fazer. Com a vida cada vez mais corrida, pouquíssimas pessoas têm tempo sobrando para cozinhar. Por isso, quanto mais fácil for o preparo de uma refeição adequada à sua nova dieta, menores tendem a ser os problemas. Em vez de ralar uma cenoura todo dia, rale várias, guarde na geladeira e lave o ralador uma vez só. Faça arroz para vários dias e suje uma única panela. Essa é uma dica da nutricionista Alessandra Luglio.

2 – Tenha planos B para quando não puder cozinhar

É claro que, às vezes, os planos dão errado. De vez em quando você vai estar com pressa por algum imprevisto e não terá tempo cozinhar nem mesmo os alimentos que já estão semiprontos na geladeira.

Nesses casos, é imprescindível lembrar que comer uma coxinha cheia de olho na esquina e rebater com uma lata de refrigerante não é uma opção. Ficar com fome também não é recomendável; por isso, um plano de contingência é necessário. Pode ser um sanduíche de pão integral com queijo fresco, por exemplo, mas isso vai depender do tipo de dieta que estiver sendo seguida.

3 – Faça o simples

Não comer aquilo que gostaria e nem na quantidade que está acostumado já é suficientemente complicado. Não seja aquele zagueiro que tenta sair driblando no campo de defesa e entrega a bola para o atacante adversário perto do gol. Dar um bicão para frente — ou, no contexto de dieta, mantê-la simples — não é vergonha.

Evite planos mirabolantes que obviamente só alguém que viva em função da dieta, como um fisioculturista, conseguiria levar até o fim. A não ser, claro, você receba a recomendação de algum nutricionista. Ele é um profissional, estudou o assunto e sabe o que é mais indicado.

4 – Saiba o que está disposto a mudar e espere resultados condizentes com isso

Dietas muito restritivas são mais difíceis de manter do que outras, menos radicais. Muita gente desiste por não aguentar ficar sem comer nada do que estava acostumado. Antes de planejar seus novos hábitos alimentares, pense no quanto está disposto a mudá-los.

Mudar menos é mais fácil; porém, esteja preparado para resultados mais lentos. É uma via de mão dupla: ninguém perde muitos quilos em pouco tempo com dietas mais frouxas. Chegue a um denominador comum entre esses fatores, algo que não seja impossível de manter e que não desmotive pelos resultados.

5 – Pesquise e procure orientação profissional

Isso é indispensável principalmente para quem quer passar por um processo mais radical. Uma dieta mal feita pode ser extremamente prejudicial à saúde. Além disso, os conhecimentos científicos estão sempre se renovando e na área da Nutrição não é diferente.

Por exemplo, a pesquisadora norte-americana Deirdre Tobias descobriu que cortar gordura não é tão eficiente quanto se pensava. Ela também diz que “para controlarmos a epidemia de obesidade, vamos precisar de mais pesquisas para identificar melhores abordagens.”

6 – Faça algum tipo de exercício físico

“Ué, mas esse artigo não era sobre deixar a dieta mais fácil?” Sim, é. Mas perda de peso acelerada pelo exercício tende a ser uma motivação a mais para continuar a dieta. Pensando apenas de maneira objetiva, a perda de peso costuma ser algo simples: queimar mais calorias do que ingere, deixando o saldo negativo. Por isso, aumentar a queima otimiza o processo.

Encontre uma brecha na sua agenda para ir à academia, caminhar no parque ou praticar algum esporte ou outro tipo de atividade física. Não precisa ser muito, não precisa se matar, mas precisa sair do sedentarismo.

7 – Pare o que estiver fazendo e coma direito

Nesse caso, não é o que se come, mas como se come. Abandone o hábito de pegar uma maçã na geladeira e sair de casa comendo enquanto vai para o trabalho. Pare fazer lanchinhos no carro enquanto espera o sinal abrir. Esqueça o WhatAapp na hora da refeição. Seu organismo precisa perceber que você está comendo, pois isso aumenta a sensação de saciedade. “Quando a gente tem muitas distrações na hora de comer, a gente come sem perceber, e quando a gente come sem perceber a tendência é comer muito mais que deveria”, esclarece a nutricionista Lara Natacci.

Com essas dicas, perder peso será um objetivo muito mais fácil de se atingir. Jamais se esqueça do planejamento. Os passos desse texto, na prática, são as pequenas partes de um plano maior que precisa ser bem concebido, gerido e seguido. Além de profissionais como nutricionistas e professores de Educação Física, existem grupos de pessoas que se apoiam mutuamente para facilitar as dietas e a perda de peso. Talvez haja um perto de você. Também é recomendável eliminar alguns alimentos que dão mais fome.

Ainda, sugerimos um método para sair do sedentarismo e praticar atividades físicas. Existe uma maneira de, com poucos minutos de exercício, fazer com que seu organismo continue queimando calorias por até 48 horas. Ele, além não ser maçante quanto as horas que pode se passar em uma academia de ginástica, é muito fácil de encaixar na sua agenda atribulada. Experimente!

IMAGEN(S): ASKDOCTORK



DEIXE UMA RESPOSTA

treze − sete =