Muitas pessoas ainda pensam que as células do nosso cérebro são infinitas e que não vão acabar nunca, no entanto esta informação é completamente errada. As células cerebrais não são infinitas e alguns comportamentos que você pode ter podem fazê-las decrescer. A neurogénese (é o processo de formação de novos neurónios no cérebro, e antigamente que esta ocorria apenas no desenvolvimento do cérebro e não que ela continuava durante toda a vida) pode enfrentar alguns obstáculos que acabam por colocar o seu cérebro em risco sério.

Nesta matéria vamos apresentar-lhe alguns comportamentos que você tem (ou não) que podem destruir e matar o seu cérebro.

5 hábitos que podem matar o cérebro

1 – Desidratação

Considerando que 75 por cento do cérebro é feito de água é fácil perceber que a falta da ingestão da mesma pode danificar as funções cognitivas. Apenas quatro horas sem beber água são o suficiente para provocar uma desidratação leve. A falta de água pode no limite levar ao desenvolvimento de um edema cerebral, assim como em casos muito extremos pode também dificultar o processo de comunicação entre neurónios e levar ao encolhimento do mesmo.

Veja também:

Cigarro Nunca Mais

5 hábitos para uma vida saudável

Conheça os principais benefícios do vinho

Benefícios do azeite de oliva para a saúde

2 – Consumo de estupefacientes

O consumo de estupefacientes provoca danos praticamente irreversíveis. Embora a canábis não mate as células do cérebro, outros narcóticos como a metanfetamina, cocaína e ecstasy ativam o sistema de recompensa do cérebro, provocando a libertação de serotonina, dopamina e norepinefrina. Estes neurotransmissores podem no entanto danificar os neurónios quando libertados em excesso. Num estudo de 2003 sobre a cocaína, os investigadores analisaram amostras de cérebro de 35 consumidores e compararam com os cérebros de 35 pessoas saudáveis. Os consumidores de droga tinham um cérebro com menos neurónios e por isso menos neurotransmissores.

3 – Estresse

A hormona do estresse, o cortisol, ativa diversos processos biológicos com a intenção de desviar a energia para onde ela é mais necessária. A digestão, por exemplo, é interrompida perante um aumento abrupto da frequência cardíaca. Em pessoas com estresse crónico, os níveis de cortisol pode ser tão excessivos que o cérebro acaba por gerar mais células produtoras de mielina e menos neurónios. A mielina presente no cérebro acelera a comunicação entre os neurónios, desequilibrando assim as células cerebrais podendo contribuir para incrementar o risco de doenças mentais, como a esquizofrenia e a ansiedade. Leia este artigo sobre os benefícios da yoga para seu corpo.

4 – Falta de sono

A Fundação do Sono norte-americana recomenda aos adultos um sono entre 7 a 9 horas diárias. O processo de seleção, consolidação e armazenamento da informação e a memória funcionam durante a noite. Um estudo de 2014 mostrou que quanto maior for o estado de vigília maior é a perda de neurónios. Outro estudo constatou que a privação do sono pode causar encolhimento no córtex cerebral e do hipocampo, especialmente em adultos acima dos 60 anos.

5 – Fumar

O tabaco tem mais de 7.000 substâncias tóxicas, 69 das quais potencialmente cancerígenas. Por outro lado, um estudo do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica de França, de 2002, mostrou que ratos viciados em nicotina tinham 50% menos no hipocampo que ratos saudáveis. E os animais que tomaram mais doses de nicotina perderam mais neurónios. Leia mais sobre os risco que o tabaco trás para sua vida.

Esperamos que esta matéria o ajude a deixar alguns destes hábitos que podem potencialmente matar as células do seu cérebro. Assim previna o seu futuro para mais tarde não ter problemas.



DEIXE UMA RESPOSTA

cinco × 5 =