Para quem quer comprar um imóvel mas não pode fazer a aquisição à vista, o financiamento imobiliário ainda é uma das melhores opções disponíveis. O modelo de parcelamento permite pagamentos em muitos anos, e assim o novo proprietário pode organizar sua vida enquanto paga as prestações, além de ter a possibilidade de adiantar parcelas, caso tenha a oportunidade.

Fazer o financiamento não é uma tarefa difícil, e depende somente de alguns documentos e de certas condições legais do comprador. Porém, para realizar o procedimento, é necessário recorrer a uma instituição financeira ou bancária. Uma das mais procuradas é a Caixa Econômica Federal, que trouxe neste ano algumas novas vantagens para quem busca o imóvel próprio.

Em abril de 2018 o banco anunciou a redução dos juros para financiamento, bem como uma alta na porcentagem possível de ser financiada para imóveis usados. A taxa mínima de juros caiu de 10,25% para 9% anuais para os imóveis comprados pelo Sistema Financeiro Habitacional (SFH) e de 11,25% para 10% ao ano pelo Sistema de Financiamento Imobiliário (SFI).

Para quem deseja financiar um imóvel usado, o percentual do valor a ser colocado no acordo subiu de 50 para 70%, e no caso dos imóveis novos, chegou a 80%. Diante disso, outros bancos também resolveram reduzir seus valores para financiamento imobiliário, aumentando a competitividade.


Novas taxas dos bancos para financiamento no país

Acompanhando o movimento realizado pela Caixa Econômica, as principais instituições bancárias do país também reduziram suas taxas, entre outras mudanças para o crédito imobiliário. Dessa maneira, o quadro ficou como você pode ver abaixo, lembrando que todos contam com a adição da Taxa Referencial (TR):

Para financiamentos pelo SFH

Caixa Econômica: a partir de 9% ao ano
Banco do Brasil: a partir de 8,99% ao ano
Itaú/Unibanco: a partir de 8,8% ao ano
Bradesco: a partir de 8,85% ao ano
Santander: a partir de 8,99% ao ano

Para financiamentos pelo SFI ou carteira hipotecária

Caixa Econômica: a partir de 10% ao ano
Banco do Brasil: a partir de 9,35% ao ano
Itaú/Unibanco: a partir de 9,3% ao ano
Bradesco: a partir de 9,3% ao ano
Santander: a partir de 9,49% ao ano

Pró-cotista/FGTS

Caixa Econômica: a partir de 7,85% ao ano
Banco do Brasil: a partir de 9% ao ano

Os demais bancos não trabalham com a modalidade

O limite de financiamento também mudou na maioria dos bancos, e agora se mantém praticamente constante, com pequenas diferenças entre uma e outra instituição:

Caixa Econômica: 80% para imóveis novos e 70% para usados
Banco do Brasil: até 80% do valor do imóvel (novos e usados)
Itaú/Unibanco: 82% do valor do imóvel, com valor mínimo de R$ 80.000,00
Bradesco: até 80% do valor do imóvel (novos e usados)
Santander: até 80% do valor para quaisquer imóveis, mas há possível adição de 5% para ITBI e registro.

Simulador Caixa Econômica FederalSimulador  Banco do Brasil
Simulador Itaú/UnibancoSimulador Bradesco
Simulador Santander

É importante ter em mente que as taxas de juros variam conforme os diferentes tipos de financiamentos imobiliários. Aqueles realizados pelo SFH e pela linha pró-cotista, como notado, costumam ter as taxas mais baixas, já que são regulados pelo governo e utilizam recursos da caderneta de poupança e do FGTS.

O nível e tempo de relacionamento com o banco, valor do imóvel, bem como o perfil e renda do consumidor também costumam influenciar diretamente os juros cobrados pelos bancos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here