Tem herpes, uma grande vontade de comer ou tem estado doente com frequência? Faça uma pausa: pode estar a um passo do estresse crônico e não tem a pequena ideia disso.

Vamos explicar-lhe o que é, e como se processa.

Curta a Proddigital Saúde no Facebook >>>

Estresse Crônico – Você precisa de férias

O estresse crônico resulta de um estado de excitação fisiológica que está sempre em curso. Ou seja, quando o corpo experimenta estressores com tanta frequência ou intensidade que o sistema nervoso autônomo não tem uma oportunidade adequada para ativar a resposta de relaxamento.

O batimento cardíaco acelera, a respiração torna-se difícil os maxilares ficam mais rígidos e um nó instala-se na barriga. O estresse é a reação do corpo humano quando sente que está a ser ameaçado. O aviso é claro: “Prepara-te para fugir, algo mau está prestes a acontecer”. Ou seja: é tempo de descansar, de tirar umas férias.

Claro que as coisas não são assim tão lineares: as sensações de estresse podem instalar-se tanto quando estamos perante uma decisão difícil de tomar, como quando vamos falar perante uma multidão. Lá vêm as dores de cabeça, os problemas de pele, as dificuldades em respirar, a falta de fome e até complicações sexuais. E por vezes nem sequer precisamos estar perante um abismo: basta pensar nele.

reações do estresse crônico

O problema está precisamente aqui: o nível cognitivo do homem pode virar-se contra ele e trair qualquer tentativa de tranquilidade. Isso acontece quando se pensa durante demasiado tempo ou em excesso sobre algo. E então surge o “estresse crônico”, uma condição de pressão constante e prolongada que coloca o corpo em alerta contínuo, nunca permitindo o sossego.

Veja também:

8 alimentos que ajudam a combater o estresse

Estresse no trabalho – Saiba como combater esse mau que prejudica a sua produtividade

Existem duas mudanças químicas relacionadas com o aparecimento do estresse crônico: de um lado, o fígado deixa de controlar a libertação de cortisol, reduzindo a eficiência do sistema imunitário e enquanto isso a adrenalina corre desenfreada pelas veias, provocando uma euforia constante. Por outro lado, o cérebro deixa de dar indicação para a libertação de serotonina, travando o relaxamento do corpo e tornando-nos mais irritáveis.

Este é um cenário que toda as pessoas querem evitar. As consequências que derivam do estresse crônico dependem de pessoa para pessoa, mas enumeramos as 3 mais frequentes.

1 – Constipações muito fortes, herpes e ineficácia das vacinas

Em situações de estresse crônico, o sistema nervoso simpático – que é responsável pelo estado de alerta no corpo humano – fica ativo. As glândulas suprarrenais ordenam que o organismo produza adrenalina e cortisol.

Isto é algo positivo se estivermos perante um tempo de ação curto, porque estimulam as defesas humanas a atuar nas zonas onde o corpo está em risco. Mas se a sua presença for prolongada, o número e atividade dos glóbulos brancos – células envolvidas na imunidade – diminuem.

Consequências: mais constipações, com sintomas mais fortes, reativação de vírus, entre eles o causador de herpes, desenvolvimento mais apressado de imunodeficiência e alteração na eficácia das vacinas. Num estudo recente, os cientistas expuseram pessoas com demência (um caso onde é comum desenvolver estresse crônico) à vacina contra a pneumonia e perceberam que a resposta imunitária era mais fraca do que em pessoas saudáveis.

2 – Depressão/ansiedades e problemas de memória

A exposição constante a eventos stressantes é um dos fatores que mais contribui para que este problema se torne crônico. Mas os químicos também podem ser perigosos: de acordo com este estudo, os corticoides – muitas vezes utilizados em problemas respiratórios como a bronquite – podem criar quadros depressivos ou psicóticos.

Outro problema envolve a memória. Um nível de estresse normal pode ajudar a memória a fortalecer-se. Mas quando o estresse se torna mais forte e prolongado, a capacidade de atenção e concentração diminui. O motivo ainda é pouco claro, mas há estudos que sugerem que o hipocampo diminui de tamanho.

3 – Ingestão de calorias a mais, vícios e taquicardias

Os problemas cardíacos são uma das consequências mais expressivas deste problema. E as raízes podem estar no trabalho: um estudo com 83 mil pessoas demonstrou que as pessoas submetidas a mais estresse no emprego tinham uma probabilidade 50% maior de desenvolver problemas cardíacos, como enfarte.

Se já teve problemas com o tabagismo ou o alcoolismo, tenha cuidado: este tipo de problemas costuma intensificar-se perante situações de elevado estresse. O habitual é compensar com a ingestão de mais calorias. Eis outro erro, uma vez que esse comportamento diminui a atuação das hormonas da saciedade, levando o corpo a continuar comendo.

E você sofre de estresse crônico constantemente? Diga para nós nos comentários.



DEIXE UMA RESPOSTA

3 × dois =