Alternativas amigas do meio ambiente como solução para a energia do Bitcoin
Imagem: Pixabay

O bitcoin consome agora mais eletricidade por ano do que toda a Argentina, de acordo com estimativas recentes da Universidade de Cambridge. Isso porque a criação de um bitcoin, em um processo chamado mineração, é alcançada por computadores que trabalham noite e dia para decodificar e resolver problemas matemáticos complexos.

A energia que estes computadores consomem é excepcionalmente alta. A polícia no Reino Unido recentemente invadiu o que acreditava ser uma extensa operação de cultivo de maconha, apenas para descobrir que o enorme uso de eletricidade que havia despertado suspeitas, estava na verdade vindo de uma instalação de mineração de bitcoin.

Milhares de instalações similares, cerca de 70% das quais estão atualmente baseadas na China, continuam a exigir cada vez mais energia para a mineração de bitcoins. Isto tem, compreensivelmente, suscitado preocupações ambientais, e ainda mais quando em maio de 2021 a Tesla disse que não aceitaria mais o bitcoin como pagamento por seus veículos por causa das causas ambientais.

Mas existem milhares de outras formas de moeda criptográfica, coletivamente chamadas de “altcoins”, que são muito mais “ecológicas” que o bitcoin — e para as quais os investidores estão se voltando agora. Muitos deles estão tentando usar tecnologia menos prejudicial ao meio ambiente para produzir cada moeda, o que pode acabar anunciando um futuro mais luminoso para as moedas criptográficas.

Altcoins

Dos milhares de “altcoins” no mercado, o ethereum, o solarcoin, o cardano e o litecoin têm mostrado potencial promissor como alternativas mais eco-friendly. Tomemos o litecoin como um exemplo de como eles estão fazendo isso.

Litecoins são muito semelhantes às bitcoins, exceto pelo fato de que alegadamente elas requerem apenas um quarto do tempo para produzir. Onde hardware sofisticado e com uma demanda de energia colossal é necessário para a mineração de bitcoins, as litecoins podem ser mineradas com hardware padrão de computador que requer muito menos eletricidade para funcionar.

Aprenda mais sobre o litecoin

Outras alternativas, como o solarcoin, têm como objetivo incentivar comportamentos ecológicos do mundo real. Uma bobina solar é alocada para cada megawatt-hora gerada a partir da tecnologia solar, recompensando aqueles que investiram em energia renovável.

Diferentes moedas criptográficas também utilizam diferentes processos para completar as transações. Bitcoin usa o que é chamado de protocolo de “prova de trabalho” para validar as transações, o que requer uma rede de mineiros para competir para resolver problemas matemáticos. O vencedor — e a pessoa que cunhar uma nova bitcoin – é geralmente o concorrente com maior poder computacional.

Embora a prova de trabalho seja creditada por ser relativamente segura, tornando difícil e caro atacar e desestabilizar, é incrivelmente sedenta de poder. A forma como força os mineiros de bitcoin a competir com um arsenal sempre em expansão de computadores de alta tecnologia significa que inevitavelmente tem vindo a exigir cada vez mais energia elétrica.

Mas existem alternativas a esta forma de mineração. O Ethereum, que é a segunda maior moeda criptográfica do mundo atrás da bitcoin, agora usa um protocolo diferente, chamado de “prova de compra”. Este protocolo foi projetado especificamente para atender às preocupações ambientais sobre o sistema de prova de trabalho, e o faz eliminando a concorrência entre os mineiros. Sem a competição, não há corrida de armas de poder computacional para os mineiros participarem.

Dado o crescente escrutínio ambiental que a moeda criptográfica está enfrentando agora, é provável que quaisquer novos “altcoins” adotem o sistema de ethereum sobre o bitcoin. Os investidores também olharão para as credenciais verdes dos altcoins ao decidir em qual moeda criptográfica eles irão converter seu bitcoin.

Ainda o futuro?

Apesar das críticas contra o bitcoin por suas chocantes ineficiências energéticas, o sistema financeiro tradicional está longe de ser ecológico.

Nos cinco anos desde o Acordo de Paris sobre mudança climática, por exemplo, foi relatado que 60 dos maiores bancos do mundo forneceram 3,8 trilhões de dólares a empresas de combustíveis fósseis — não muito favoráveis ao planeta. Um relatório concluiu que 49% das instituições financeiras não realizam nenhuma análise de como sua carteira impacta o clima.

Depois, há o uso da eletricidade no setor. Onde as moedas criptográficas têm o potencial de funcionar sem a supervisão de grandes instituições financeiras, o setor bancário é construído sobre uma enorme quantidade de infra-estrutura que naturalmente queima através de uma grande quantidade de eletricidade.

Os próprios bancos utilizam muitos computadores e servidores, assim como milhares de escritórios com ar condicionado e veículos que consomem combustível. É difícil estimar exatamente quanta energia é necessária para suportar toda essa atividade, mas um relatório recente descobriu que o sistema bancário consome mais do dobro da eletricidade que o bitcoin consome.

Portanto, embora o bitcoin esteja recebendo, com razão, uma pancada por seu ultrajante consumo de energia, em última análise, há necessidade de que todos os nossos sistemas financeiros sejam sustentáveis. Os bancos podem fazer isso, reconsiderando suas carteiras e trabalhando em prol de emissões líquidas de carbono zero. Mas as moedas criptográficas oferecem um caminho diferente para as finanças mais verdes — e as “altcoins” que se concentram em suas credenciais ambientais podem muito bem limpar a reputação da tecnologia pelo uso excessivo de energia.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui