financiamento imobiliário

O ano de 2018 começou com boas notícias para quem quer financiar um imóvel. Após alguns rumores no mercado, a Caixa Econômica Federal anunciou que vai reduzir em breve os juros do crédito imobiliário que se vale da caderneta de poupança.

Por melhor que isso seja, estimativas oficiais apontam que historicamente a poupança é a segunda via escolhida pelos brasileiros para financiar a tão sonhada casa própria. A primeira é o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, mais conhecido como FGTS.

O dinheiro é depositado na conta do cidadão pela própria empresa onde ele
trabalha e até pouco tempo só podia ser retirado em algumas condições
pontuais, como a entrada em um financiamento imobiliário, e só a partir de três
anos de trabalho em regime CLT.

Recentemente, na intenção de reaquecer a economia, o governo anunciou que os saldos inativos podem ser sacados a qualquer momento.

Alguns tipos de linhas de crédito disponíveis no mercado

O financiamento imobiliário é sem dúvida a opção mais usada para comprar a casa própria no Brasil, sendo que a Caixa Econômica Federal é a instituição mais procurada na hora de conceder estes empréstimos. Afinal, a CEF dá a possibilidade de parcelar o valor em até 420 meses, ou seja, 35 anos. Independente da origem do dinheiro que servirá para dar a entrada no imóvel (caderneta de poupança ou FGTS) é importante conhecer alguns tipos de créditos imobiliários que podem ajudar na hora de assinar o contrato.

Minha Casa Minha Vida

O Programa Minha Casa, Minha Vida é voltado para famílias com renda de até R$ 6.5000 e seus recursos são oriundos do Ministério das Cidades, que o repassam à Caixa Econômica Federal.

Pró-cotista

A linha pró-cotista é a mais favorável para quem não pode financiar pelo Minha Casa Minha Vida devido aos juros mais baratos. Ou seja, é voltada para pessoas de classe média.

Apenas a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil oferecem essa possibilidade. O Governo Federal disponibilizou em 2018 R$ 4 bilhões para essa linha de crédito, enquanto no ano passado esse valor foi de R$ 6,1 bilhões.

Veja também:

Carta de Crédito FGTS

A Carta de Crédito FGTS facilita a aquisição de imóveis usados que valem até R$ 215.000,00. A única condição é que a renda de quem está adquirindo seja de até R$ 7.000,00.

SBPE

A SBPE é uma linha de crédito voltada para financiar imóveis estimados entre R$ 216 e R$ 950 mil. Vale lembrar, porém, que ela financia apenas 70% da casa para funcionários de empresas privadas.

Para funcionários públicos há uma pequena mudança: eles têm a possibilidade de financiar até 80% dos imóveis usados e até 90% dos novos.

SBPE para imóvel novo | SBPE para imóvel usado

SFI

Voltado para pessoas com maior poder aquisitivo, a linha de crédito SFI, tem como base o financiamento de imóveis a partir R$ 950.000,00. Importante: ele não permite que o dinheiro do FGTS seja utilizado.

Dica: fique por dentro de todo o processo de financiamento

Um erro comum na hora de fechar o contrato é justamente a falta de conhecimento do processo. Saiba que o financiamento se tem algumas características que precisam ser entendidas, como por exemplo as opções de prestações, corrigidas a partir do IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) e pelo INCC (Índice Nacional de Custo de Construção). Ambas são medidas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Já os sistemas de amortização do saldo devedor do imóvel são divididos em duas vias clássicas: o Sistema de Amortização Constante (SAC), quando a parcela é decrescente (diminui ao longo dos meses), e a Tabela Price que mantém parcelas no mesmo valor fixo, registrando apenas as mudanças da inflação.

Uma boa opção caso você não esteja seguro para fechar contrato é procurar uma consultoria imobiliária. Entre outras vantagens, um de seus profissionais fará uma leitura minuciosa do contrato e te explicará cada detalhe. Além, é claro, de achar a melhor linha de crédito para fazer um financiamento imobiliário seguro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here